Loading...


Conhecer Florença

Conhecer Florença

12/10/2019

Florença é a maior cidade da região da Toscana e da província homónima, tendo sido  durante muito tempo considerada a capital da moda. Berço do Renascimento italiano e uma das cidades mais belas do mundo, também se tornou célebre por ser a cidade natal de Dante Alighieri, autor da Divina Comédia.

Florença tem origem num antigo povoado etrusco e foi governada pela família Médici desde o início do século XV até meados do século XVIII. O primeiro líder da cidade pertencente à família Médici foi Cosme de Médici, que chegou ao poder em 1437. Protector dos judeus na cidade, iniciou uma longa relação da família com a comunidade judaica. 

Na cidade destacam-se as belíssimas igrejas de várias épocas e é cenário de obras de artistas notáveis, tais como Michelangelo, Leonardo da Vinci, Giotto di Bondone, Sandro Botticelli, Rafael, Donatello, entre outros. Aqui nasceram os Papas Leão X, Clemente VII, Clemente VIII, Leão XI, Urbano VII e Clemente XII.

Visitas a não perder:

CATEDRAL

A Catedral de Santa Maria del Fiore é o "Duomo" de Florença, está localizada na praça homónima e resulta de um trabalho que se estendeu por seis séculos.

Era já em 1971 a quinta igreja da Europa em grandeza, depois da Basílica de São Pedro, da Catedral de São Paulo, da Catedral de Sevilha e da Catedral de Milão. Possui 153 metros de comprimento e 90 metros de largura no transepto, enquanto o tambor da cúpula possui 54 metros.

A construção iniciou-se em 1296 com projecto de Arnolfo di Cambio sobre as fundações da antiga Catedral de Santa Reparada. Após a morte de Arnolfo, passou pela supervisão de Giotto di Bondone, depois por Francesco Talenti e teve a sua monumental cúpula construída por Filippo Brunelles. No final das obras, em 1436, a catedral foi consagrada pelo Papa Eugénio IV.

PALÁCIO VELHO 

Palazzo Vecchio está localizado na Praça da Senhoria (Piazza della Signoria). Actualmente é a sede da Prefeitura do município florentino e no seu interior acolhe um museu que expõe, entre outras, obras de Agnolo Bronzino, Michelangelo Buonarroti e Giorgio Vasari.

Chamado inicialmente de Palazzo della Signoria (Palácio da Senhoria), nome do organismo principal da República Florentina, assumiu ao longo dos séculos nomes diversos: de Palazzo dei Priori (Palácio dos Priores) a Palazzo Ducale (Palácio Ducal), segundo os vários ordenamentos governamentais instaurados na cidade. O nome Vecchio é adoptado em 1565, quando a Corte do Grão-Duque Cosme I se transferiu para o "novo" Palazzo Pitti.

O edifício foi gradualmente ampliado em direcção a este, vindo a ocupar uma extensão isolada e aumentando o inicial paralelepípedo do século XIII até este quadruplicar as suas dimensões, com uma planta que recorda um trapézio do qual a fachada é somente o lado mais curto. Sobre a fachada principal rusticada encontra-se a Torre de Arnolfo (Torre di Arnolfo), um dos emblemas da cidade.

GALERIA UFFIZI

Galleria degli Uffizi (em português: Galeria dos Escritórios) abriga um dos mais antigos e famosos museus do mundo.

Dividido em várias salas dispostas por escolas e estilos em ordem cronológica, o museu exibe obras do século XII ao século XVIII, com a melhor colecção do mundo de obras do Renascimento, da autoria de Cimabue, Caravaggio, Leonardo da Vinci, Micheangelo, Rafael, Andrea Mantegna, Ticiano, Parmigianino, Rubens, Rembrandt, Giovanni Pittoni, Canaletto e Sandro Botticelli.

 PONTE VELHA

Ponte Vecchio é uma ponte em arco medieval sobre o Rio Arno, famosa por ter uma quantidade de lojas (principalmente ourivesarias e joalharias) ao longo de todo o tabuleiro.

Acredita-se que tenha sido construída ainda na Roma Antiga e era feita originalmente de madeira. Foi destruída pelas cheias de 1333 e reconstruída em 1345, com projecto da autoria de Taddeo Gaddi. Consiste em três arcos, o maior deles com 30 metros de diâmetro.

Ao longo da ponte há vários cadeados, especialmente no gradeamento em torno da estátua de Benvenuto Cellini. O facto é ligado à antiga ideia do amor: ao trancar o cadeado e lançar a chave ao rio, os amantes tornavam-se eternamente ligados.

 PALÁCIO PITTI

O Palácio Pitti (Palazzo Pitti) é um grande palácio renascentista. Está situado na margem direita do rio Arno, a pouca distância da Ponte Vecchio. O aspecto actual do palácio data do século XVII, tendo sido originariamente (1458), projectado por Filippo Brunelleschi, ou pelo seu aprendiz Luca Fancelli, como residência urbana de Luca Pitti, um banqueiro  florentino. Foi comprado em 1539 pela Família Médici, para servir de residência oficial dos Grandes Duques da Toscânia. Já alojou importantíssimas famílias para além dos Médici, como os Lorena, os Bourbon, os Bonaparte e os Saboia.

PIAZZA DELLA SIGNORIA

A Piazza della Signoria é a praça central de Florença, sede do poder civil com o Palazzo Vecchio e o coração da vida social da cidade. Em forma de L, encontra-se na parte central da Florença meridional, ao sul do Duomo e a poucas dezenas de metros da Ponte Vecchio e do rio Arno.

GALERIA DA ACADEMIA

A Galeria da Academia de Belas Artes de Florença, ou simplesmente Galeria da Academia, é um importante museu dedicado à preservação de um rico conjunto de obras de arte de fins do gótico até final do século XIX.

A Galeria da Academia foi fundada juntamente com a Academia de Belas Artes, em 1784, pelo então Grão-Duque da Toscana Pedro Leopoldo. Na época da sua fundação a Galeria contava já com obras importantes como o modelo em gesso da escultura O Rapto da Sabina de Giambologna e logo passou a ser enriquecida com pinturas removidas de igrejas e conventos extintos pelo Grão-Duque no final do século XVIII e depois por Napoleão em 1810.

Em 1873 foi trazida a obra David, de Michelangelo, da sua posição original na Piazza della Signoria para dentro de um espaço especial da sede da Galeria, seguindo-se uma reorganização do material em acervo, passando algumas pinturas antigas para outros museus da cidade e obras mais recentes para o museu do Palácio Pitti. Por outro lado continuaram as aquisições, sendo dignas de nota as de outras peças de Michelangelo, como, em 1906, a estátua de São Mateus e as quatro esculturas dos Cativos, anteriormente nos Jardins de Boboli, no Palácio Pitti.

BASÍLICA DE SANTA CRUZ

Basílica de Santa Cruz é a principal igreja franciscana em Florença e uma das principais basílicas da Igreja Católica no mundo. Está situada na Piazza di Santa Croce, a leste da Catedral. É o lugar onde estão enterrados alguns dos mais ilustres italianos, tais como Michelangelo, Galileo Galilei, Maquiavel e Rossini, por isso apelidada de Panteão das Glórias Italianas.

A lenda diz que a igreja foi fundada pelo próprio São Francisco de Assis. Foi iniciada em 1294, possivelmente por Arnolfo di Cambio e consagrada em 1442 pelo papa Eugénio IV, sendo a maior igreja franciscana do mundo. Suas características mais marcantes são as 16 capelas, muitas delas decoradas com frescos de Giotto e seus alunos. 

BATISTÉRIO DE SÃO JOÃO

Prédio religioso, julga-se que o Batistério de São João é o mais antigo da cidade, sendo famoso pelas suas magníficas portas de bronze. Fica na Piazza del Duomo, a oeste da Santa Maria del Fiore.

Em tempos acreditou-se que o Batistério era, na verdade, um templo romano dedicado a Marte. Menciona-se que Dante Alighieri tenha sido o criador dessa lenda. Contudo, essa era uma ideia incorrecta. Escavações no século XX mostraram que o Batistério era uma torre de guarda, parte de uma muralha que protegia a cidade. A construção mais próxima à actual foi feita e consagrada em 1059 pelo Papa Nicolau II. Os mármores foram trazidos de Fiesole. Uma lanterna octogonal foi colocada no tecto do pavilhão em 1150 e nos séculos XIV e XVI três portas de bronze foram adicionadas.

BASÍLICA DE SÃO LOURENÇO

Basílica de São Lourenço é uma igreja do início do Renascimento, concebida por um dos maiores arquitectos desta época, Filippo Brunelleschi, sobre uma pequena igreja fundada por Santo Ambrósio no ano de 393. As obras foram iniciadas em 1419, com o patrocínio de Cosme, o Velho, Médici, e foram terminadas em 1460 por Antonio Manetti, que respeitou fielmente o plano inicial. 

PALÁCIO MÉDICI-RICCARDI

Palazzo Medici-Riccardi é um palácio renascentista, obra de Michelozzo (1444-1464), que foi propriedade da Família Médici, sendo posteriormente adquirido e ampliado pela Família Riccardi. Fica localizado na Via Cavour (antiga Via Larga), sendo actualmente sede da Prefeitura. Na Capela encontra-se o famoso fresco de Benozzo Gozzoli, “A Viagem dos Três Reis Magos a Belém”.

IGREJA SANTA MARIA NOVELLA

A Igreja Santa Maria Novella está situada transversalmente à estação ferroviária de mesmo nome. Cronologicamente, é a primeira grande Basílica de Florença e a principal Igreja Dominicana da cidade.

A igreja, o claustro adjacente e a casa capitural contêm uma reserva de tesouros artísticos e monumentos funerários. Especialmente os famosos frescos do período gótico e do início do Renascimento. A construção foi iniciada em 1246 pelos frades dominicanos Sisto de Florença e Ristoro de Campi, no lugar onde se erguia o oratório dominicano de S. Maria das Vinhas.

JARDIM BOBOLI

Jardim Boboli possui uma colecção de esculturas, que datam do século XVI ao século XVIII, e algumas antiguidades romanas.

O eixo principal, centrado na fachada traseira do palácio Pitti, ergue-se na Colina Boboli a partir de um profundo anfiteatro que lembra a metade de um hipódromo clássico ou pista de corrida. No centro do anfiteatro está o obelisco do antigo egípcio Boboli, trazido da Villa Medici em Roma. Este eixo primário termina na fonte de Neptuno, com a escultura deste, concebida por Stoldo Lorenzi, visível no horizonte quando o visitante sobe a encosta.

Fonte: Wikipédia.

« Voltar